Video

Musicotherapy – Klaus Wiese: Astral Garden

Alerta: Existe alguém que se dá pelo nome de Arc e “El culto – Ambient & Electronic Music Label” que está a vender na internet novos ábuns e músicas em nome de Klaus Wiese e a dizer que são composições inéditas que não foram lançadas, isso é tudo mentira, é uma fraude, não comprem nada disso!

Klaus Wiese (January 18, 1942 – January 27, 2009 in Ulm)[1] was a veteran e-musician, minimalist, and multi-instrumentalist. A master of the Tibetan singing bowl, he created an extensive series of album releases using them. Wiese also used the human voice, the zither, Persian stringed instruments, chimes, and other exotic instruments in his music.

Wiese is considered by some as one of the great ambient or space music artists such as Robert Rich, Steve Roach, Michael Stearns, Constance Demby, and Jonn Serrie. His musical style is much more appropriately compared to the organic soundscapes of drone and dark ambient music, such as Oöphoi, Alio Die, Mathias Grassow, and Tau Ceti.

He was briefly a member of the krautrock band Popol Vuh in the early 1970s where he played tamboura on the albums Hosianna Mantra and Seligpreisung. Eventually Wiese would move away from krautrock to his own version of long tone ambient music by the 1980s. In the 1990s he founded the Nono Orchestra to play the giant sheetmetal instruments of Robert Rutman.

His music has regularly been featured on nationally syndicated radio programs such as Hearts of Space and Star’s End.

Wiese is known also for his collaborations with Al Gromer Khan, Mathias Grassow, Oöphoi, Tau Ceti, Saam Schlamminger, and Ted de Jong. He collaborated with Deuter on his Silence is the Answer album in 1980 and East of the Full Moon in 2005. Twenty-four albums of material were released in 2004 alone.

He traveled the Far East for many years studying Sufism and Mysticism which clearly influenced his spiritual, ambient music.

Source: Wikipedia

Klaus Wiese

Referências:

Klaus Wiese

Musicotherapy: Mike Brooks – Realms of Darkness

Cassette insert is a folded piece of glossy black card with photocopied track information pasted inside. No times given on actual release. – Source

Musicotherapy – Klaus Wiese: Vision

Klaus Wiese (January 18, 1942 – January 27, 2009 in Ulm)[1] was a veteran e-musician, minimalist, and multi-instrumentalist. A master of the Tibetan singing bowl, he created an extensive series of album releases using them. Wiese also used the human voice, the zither, Persian stringed instruments, chimes, and other exotic instruments in his music.

Wiese is considered by some as one of the great ambient or space music artists such as Robert Rich, Steve Roach, Michael Stearns, Constance Demby, and Jonn Serrie. His musical style is much more appropriately compared to the organic soundscapes of drone and dark ambient music, such as Oöphoi, Alio Die, Mathias Grassow, and Tau Ceti.

He was briefly a member of the krautrock band Popol Vuh in the early 1970s where he played tamboura on the albums Hosianna Mantra and Seligpreisung. Eventually Wiese would move away from krautrock to his own version of long tone ambient music by the 1980s. In the 1990s he founded the Nono Orchestra to play the giant sheetmetal instruments of Robert Rutman.

His music has regularly been featured on nationally syndicated radio programs such as Hearts of Space and Star’s End.

Wiese is known also for his collaborations with Al Gromer Khan, Mathias Grassow, Oöphoi, Tau Ceti, Saam Schlamminger, and Ted de Jong. He collaborated with Deuter on his Silence is the Answer album in 1980 and East of the Full Moon in 2005. Twenty-four albums of material were released in 2004 alone.

He traveled the Far East for many years studying Sufism and Mysticism which clearly influenced his spiritual, ambient music.

Source: Wikipedia

Klaus Wiese

Referências:

https://www.discogs.com/Klaus-Wiese-Vision/release/449812

Musicoterapia para a Maternidade Matriarcal: Partos naturais sem doenças induzidas pelo toque patogénico de médicos e enfermeiros! Melissa Morgan and Diane Clarke – Invocation to Isis

From World Health Service

Na natureza quem tenta aproximar-se das crias de uma fêmea, morre na hora!!!

Mulher que não garante a segurança de sua prole recém-nascida, não permitindo toque nem possessão de qualquer lixo ou governo em sua cria, não presta para parir!” – Vapera

Foto de Parto Natural em Água censurada pelo Facebook!

Por isso é que eles não querem os bebés a nascer nas águas!!! Todos os nascimentos deviam e têm de ser feitos dentro da água!!! Porque a vida nasce da água! Mãe, Madre, Mar, Água! A maior parte dos problemas nos nascimentos deve-se precisamente a isto, os bebés não nascem dentro de água e as grávidas têm dificuldade em ter os seus bebés e o primeiro toque que os bebés recebem é o toque de um mérdico ou de uma enfermerda eugénica que odeia crianças mas adora abortos, em vez de ser o toque da Água, do Mar, da Madre, que mantém a ligação entre a Mãe (Madre Humana), o Mar (Madre Terra) e o bebé (o Sol, Sun, filho). Não há separação entre as Águas!

Ancestralmente as mulheres tinham os seus bebés dentro da água, nos rios ou oceanos com água salgada e mineralizada! A água mineralizada e salgada evita qualquer problema durante o nascimento porque o sal e os minerais e todos restantes elementos que a água do mar tem, são estimuladores, catalisadores (catiões, iões carregados com carga eléctrica positiva provenientes da Heliosfera), que mantém a energia em movimento e faz com que o bebé nasça facilmente, com fluidez e rapidamente, sem qualquer problema quer para o bebé quer para a Mãe!

Essa prática tem de ser resgatada e temos de voltar a ela urgentemente ou então a humanidade será totalmente destruída e cibernizada com toques de médicos, reproduções medicamente assistidas e úteros artificiais, separada da Mãe, da Madre, do Mar, da Terra, do Sistema Solar e separados da Galáxia e das energias Cósmicas essenciais à Vida! Que é o que eles estão a fazer e querem continuar a fazer! – Continuar a ler

O 1º toque que um bebé recebe quando nasce que é na sua grande maioria de um médico ou de um estranho ao bebé como as enfermeiras, e por isso é que as boas parteiras nunca tocam no bebé nem na mãe para não violar a ligação entre mãe e filho, para não alterar o magnetismo da mãe e do seu bebé. Podem ver aqui neste vídeo um exemplo de como deve ser um parto natural.

Esse 1º toque é fundamental porque é a primeira impressão que o bebé vai ter no mundo físico! É um diapasão (sintonização através da vibração magnética do toque) que o bebé vai receber e que vai influenciar o seu campo electromagnético, ou seja, o bebé vai ser atraído e tocado pelo corpo do médico ou de outra pessoa estranha qualquer que vai induzir as propriedades do seu campo electro-magnético no corpo do bebé, violando e alterando dessa forma o campo electromagnético do bebé que está ligado com o campo electromagnético do corpo da sua mãe!

O campo electromagnético do bebé e da sua mãe é violado no momento do parto com consequências negativas a nível familiar e pessoal quer da mãe quer do bebé, porque o bebé quando nasce é dissociado, dessintonizado dos seus pais e desalinhado do campo magnético da sua mãe! Por isso é que o primeiro toque que um bebé recebe tem de ser sempre o toque da sua mãe e do seu pai para manter a integridade do campo magnético do bebé alinhado e sintonizado com o campo magnético dos pais.

As autoridades deste mundo não querem que as pessoas encontrem a sua alma gémea e por isso é que ao longo da história desde sempre separaram os sexos, nos colégios separavam os homens das mulheres, na religião separam os homens das mulheres, na política só recentemente é que as mulheres começaram a ter voto na matéria, na maior parte dos desportos eles separam os homens das mulheres, tudo o que essas bestas desgraçadas fazem é para separar o sexo masculino do sexo feminino para evitar o reencontro e a união das almas gémeas porque esse reencontro e essa união gera um vórtice de energia muito forte que purifica, cura e eleva espiritualmente tudo e todos!

É isto que eles querem impedir com a institucionalização forçada de crianças, retiram os filhos às famílias pobres biológicas, andam sempre com os jovens, estudantes, professores, trabalhadores e familiares de um lado para o outro, e dificultam a vida às pessoas para elas nunca encontrarem a sua alma gémea. – Continuar a ler

Os planos de parto são um Cavalo de Tróia para aprisionar os Portugueses em Gulags (Smart Cities que começam nos Hospitais), continuar a destruir o Matriarcado, acabar com a autoridade das Mães sobre os seus Filhos e obrigar os bebés que nascem a se alimentarem com fórmulas infantis em vez de mamarem nas Tetas da sua Mãe!

A praga dos carrinhos de bebé!